Pode a Ação de Adaptação de hoje minimizar as futuras perdas e danos de África?

À margem da edição de 2022 da Semana Africana do Clima, uma sessão intitulada ‘Limitar as perdas e danos através de uma Ação de Adaptação Melhorada em África’ apresentou uma discussão vibrante e oportuna de um aspeto das alterações climáticas que normalmente recebe pouca atenção: captar e avaliar os custos e danos associados às alterações climáticas.  

O Banco Africano de Desenvolvimento e a Fundação Konrad Adenauer, da Alemanha, acolheram o evento, que proporcionou um fórum para os painelistas e participantes discutirem a importância de definir e avaliar tais perdas e danos de propriedades, economias, vidas e meios de subsistência devido a desastres climáticos. África é reconhecida como sendo o continente mais vulnerável às alterações climáticas.

O moderador, Olufunso Somorin, Diretor Regional do Banco Africano de Desenvolvimento, abriu a discussão. Salientou que é importante para os países africanos medir as perdas e danos relacionados com as alterações climáticas para permitir uma quantificação apropriada e respostas bem concebidas e mais adequadas ao contexto do país. Era igualmente importante captar essas perdas ocorridas mesmo nos casos em que tinham sido tomadas medidas preventivas de adaptação climática, acrescentou.

Fatten Agad, Consultora Sénior sobre Diplomacia e Geopolítica Climática da Africa Climate Foundation, defendeu a realização de um relatório que servisse de orientação e base para avaliar as perdas e danos relacionados com o clima. “Já foi demonstrado que o impacto socioeconómico enfrentado pelos países africanos para enfrentar a crise da Covid-19 tem sido muito elevado, e acrescentar um fardo de financiamento de algo como estas perdas e danos seria injusto”, disse.

Anja Beretta, Diretora da Konrad Adenauer para a Segurança Energética e Alterações Climáticas em África, exortou os países africanos a integrar mecanismos para enfrentar perdas e danos nas suas Contribuições Determinadas a Nível Nacional (NDC). Ela também apelou à designação de instituições e estruturas funcionais para assegurar a utilização eficiente e eficaz do financiamento climático, a fim de fazer avançar a discussão sobre os fluxos financeiros para perdas e danos.

Stephane Bonamy, Chefe da Delegação Regional do Comité Internacional da Cruz Vermelha nos Camarões, afirmou que, para os países que enfrentam tanto conflitos como impactos das alterações climáticas, é imperativo que as medidas preventivas sejam implementadas suficientemente cedo para reduzir a extensão das perdas e danos enfrentados e diminuir os encargos para as comunidades”. Ele observou que 14 dos 25 países mais vulneráveis aos impactos das alterações climáticas em todo o mundo também enfrentam alguma forma de conflito.

O Dr. Olumide Abimbola, Diretor Executivo do Instituto de Pesquisa de Políticas Africanas, em Berlim, reiterou a necessidade de mais exemplos africanos de perdas e danos passados e atuais serem incorporados em livros e revistas.

Houve acordo entre os participantes sobre a necessidade de África dar prioridade a ações de adaptação oportunas, abrangentes e em larga escala para evitar ou minimizar perdas e danos futuros.

Houve também consenso sobre a necessidade urgente de aumentar os fluxos financeiros de fontes públicas e privadas para ações de adaptação em toda a África. Citaram o Programa de Aceleração da Adaptação de África, do Banco Africano de Desenvolvimento, uma iniciativa conjunta com o Centro Global sobre Adaptação, como um exemplo positivo. O programa procura mobilizar 25 mil milhões de dólares ao longo de cinco anos para acelerar e dar escala às ações de adaptação climática em todo o continente.

Os participantes também apelaram a novas parcerias estratégicas para impulsionar políticas, planos e investimentos de adaptação em África através da implementação de NDC e da exploração de sinergias com iniciativas como o programa Financiamento do Risco de Catástrofes em África.

Distribuído pelo Grupo APO para African Development Bank Group (AfDB).

Sobre a Semana Africana do Clima (ACW):
A ACW é um evento anual que envolve e capacita as partes interessadas a impulsionar a ação climática em todos os países, comunidades e economias. O evento é organizado pela UN Climate Change em colaboração com parceiros globais Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Programa das Nações Unidas para o Ambiente e o Grupo Banco Mundial. Os parceiros na região incluem a União Africana, o Banco Africano de Desenvolvimento, a Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA). A ACW 2022 realizou-se no Gabão.

Media files
African Development Bank Group (AfDB)
Download logo

African Boulevard Africain traz para você manchetes de notícias diárias que cobrem a África Oriental, a África Ocidental, a África Austral, a África do Norte e a África Central. Também trazemos notícias e informações sobre a Diáspora Africana nos EUA, a Diáspora Africana no Canadá, a Diáspora Africana no Reino Unido, França, Alemanha, o resto da Europa e Ásia.

This post was originally published on this site

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.