Organização das Nações Unidas (ONU) quer ação climática urgente para mitigar conflito e crise de refugiados no Sahel


Download logo

Relatório intitulato “Passando da reação a ação: antecipando pontos críticos de vulnerabilidade” examina  planos de apoio regional; realidades analisadas incluem as de Burquina Faso, Camarões, Chade, Gâmbia, Guiné Conacri, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria e Senegal.

O coordenador especial das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Sahel e a Agência da ONU para os Refugiados, Acnur, alertam que a região pode enfrentar décadas de conflito armado e deslocamento se nao houver investimento urgente em mitigação e adaptação climática.

As causas seriam o aumento das temperaturas, a escassez de recursos e a insegurança alimentar. Um relatório da organização defende que seja controlada a emergência climática para não expor ainda mais as comunidades a inundações arrasadoras, secas e ondas de calor que já afetam o acesso à água, aos alimentos e a meios de subsistência.

Investimentos

As ocorrências podem amplificar os riscos de conflito e forçar mais pessoas a fugirem de suas casas. O relatório analisa os 10 países abrangidos na Estratégia Integrada da ONU para o Sahel e o seu Plano de Apoio a África Ocidental e Central.

Para o coordenador especial da ONU para o Desenvolvimento no Sahel, Abdoulaye Mar Dieye, a crise climática está ligada ao aumento da instabilidade e baixo nível de investimentos em desenvolvimento regional. A situação  enfraquece e sobrecarrega comunidades e tem potencial para comprometer o cumprimento dos ODSs.

Dieye destaca que existem soluções focadas no agenciamento das pessoas e investimentos em escala, que requerem comprometimento e dedicação resolutos de todos, bem como dados e análises corretos para prever acontecimentos por forma a executar respostas políticas proativas e impactantes.

As comunidades no Sahel dependem da agricultura e da pecuária, atividades tidas como altamente vulneráveis ​​aos impactos das mudanças climáticas. Registros regionais indicam que a insegurança alimentar já atinge níveis de emergência em algumas áreas.

As previsões apontam que, no longo prazo, as colheitas de milho, painço e sorgo deverão diminuir devido aos choques climáticos, desgastando a resiliência das populações locais. Espera-se igualmente que as temperaturas no Sahel subam 2,5°C até 2080, podendo chegar a 4,3º C se a ação urgente for adiada.

Potencialidades

O assessor especial do Acnur para Ação Climática, Andrew Harper, salienta que o aumento das temperaturas e o clima extremo estão piorando o conflito armado. Uma das principais consequências é a destruição de meios de subsistência, interrompendo a segurança alimentar e provocando deslocamentos.

Para a agência, apenas um grande impulso na mitigação e adaptação coletiva do clima pode aliviar as consequências humanitárias atuais e futuras. Apesar das tendências negativas, a região rica em recursos naturais fica em um dos maiores aquíferos da África. Outra vantagem é o potencial para energias renováveis, incluindo energia solar e cerca de 64 % da sua população jovem com menos de 25 anos de idade.

A ONU acredita que uma ação ousada na mitigação e adaptação climática  tomada a tempo e associada à  colaboração dos campos humanitário, de desenvolvimento e construção da paz, possa mudar a trajetória da região.

Distribuído pelo Grupo APO para UN News.

African Boulevard Africain traz para você manchetes de notícias diárias que cobrem a África Oriental, a África Ocidental, a África Austral, a África do Norte e a África Central. Também trazemos notícias e informações sobre a Diáspora Africana nos EUA, a Diáspora Africana no Canadá, a Diáspora Africana no Reino Unido, França, Alemanha, o resto da Europa e Ásia.

This post was originally published on this site

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *