Cabo Verde: Ministra da Saúde promove encontro com os médicos ortopedista e cardiologistas com o projeto de reforço da capacidade de intervenção nível de cirurgias na agenda

Em Cabo Verde, as principais causas de mortalidade e morbilidade são as doenças do fórum cardiovasculares e orto-traumatologia. São também responsáveis por uma grande parte das evacuações médicas para o exterior. Só em 2021 foram 103 doentes evacuados para Portugal para tratamento de doenças cardíacas, sendo que na área da ortopedia foram 21 pacientes.

Com o propósito de melhorar o acesso às intervenções cirúrgicas nestas duas áreas e consequentemente diminuir o número de evacuações para o exterior, o Ministério da Saúde está a preparar um projeto de reforço da capacidade de intervenções cirúrgicas nestas duas especialidades, para criar as condições de colocação de próteses (ortopedia) e colocação de pacemakers (cardiologia) nos dois Hospitais centrais do país.

Neste sentido, a Ministra da Saúde, Filomena Gonçalves, reuniu-se com os médicos especialistas dos Hospitais Dr. Baptista de Sousa e Dr. Agostinho Neto para apresentação do Projeto de reforço da capacidade nacional de intervenção cirúrgicas a nível da ortopedia e cardiologia.

O Médico orto-traumatologia Paulo Freire do Hospital Baptista de Sousa apresentou o projeto “Cirurgia da coluna” cujo maior propósito é apetrechar e capacitar o Hospital Dr. Baptista de Sousa para a realização de Cirurgia da coluna. Alias, este hospital vem realizando com êxito as cirurgias de hérnias discais e as alterações degenerativas da coluna desde 2013, contribuído com isso para a diminuição do número de pacientes evacuados para o exterior. De 2013 até então já foram realizadas 111 pacientes.

De acordo com o que a Ministra Filomena Gonçalves avançou, o objetivo é de ouvir, sobretudo, os profissionais e especialistas nestas áreas pois, como disse, são eles que lidam diariamente com os casos e são as pessoas indicadas para guiar os caminhos e conseguir ver la onde é preciso melhorar as capacidades para o bem-estar das pessoas. Na verdade, o que se pretende é diminuir, mais do que os custos financeiros das evacuações externas, são os custos socias na vida das pessoas e das suas famílias.

Filomena Gonçalves disse ainda que o país tem uma equipa de especialistas jovem, capaz e com vontade de fazer acontecer, por isso vê que com uma excelente planificação e interoperabilidade entre os serviços através do direcionamento dos meios disponíveis e das prioridades é possível fazer mais nestas duas áreas.

“Nós almejamos sim diminuir as evacuações e isso tem que ver com a capacidade das infraestruturas e materiais e acreditamos que com ajuda destes técnicos vamos conseguir”, salientou.

Em relação ao encontro com os médicos cardiologistas, o PCA do Hospital Dr. Agostinho Neto, Imadoeno Cabral, apresentou o Projeto “Centro de Cardiologia de Intervenção” que centra a sua ação na assistência diferenciada aos doentes com necessidade de intervenção estrutural cardíaca, utilizando os recursos humanos e técnicos disponíveis e mais atualizados, garantindo a acessibilidade, eficácia, segurança e excelência dos cuidados prestados obedecendo aos mais elevados padrões éticos e científicos. O Hospital Dr. Agostinho Neto através do seu serviço de cardiologia realizou o primeiro implante de pacemakers em 2016.

A Ministra Filomena Gonçalves disse, também, que, em relação a cardiologia, muitas das evacuações são por colocação dos aparelhos pacemakers, sublinhando por isso a necessidade para a criação das condições nacionais para este implante.

Os dois encontros, realizados em formato híbrido, decorreram na quinta-feira 19 de janeiro, na sala de reuniões do Ministério da Saúde.

Distribuído pelo Grupo APO para Governo de Cabo Verde.

Media files
Governo de Cabo Verde
Download logo

African Boulevard Africain traz para você manchetes de notícias diárias que cobrem a África Oriental, a África Ocidental, a África Austral, a África do Norte e a África Central. Também trazemos notícias e informações sobre a Diáspora Africana nos EUA, a Diáspora Africana no Canadá, a Diáspora Africana no Reino Unido, França, Alemanha, o resto da Europa e Ásia.

This post was originally published on this site

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *